sábado, 24 de setembro de 2016

Homens do Mar - Francisco Fernandes Mano - 18

-
 
Em conversa de amigos, veio à baila o Capitão Francisco Fernandes Mano, por quem o João Reinaldo Cruz manifestou ter tido uma simpatia especial, pois autorizou que o seu Pai, Manuel Nunes da Cruz, conhecido por Manuel Gestas, cozinheiro do lugre António Ribau, o levasse com ele, no navio, da Gafanha para Setúbal e de volta a Lisboa, no ano de 1960, enquanto capitão do dito lugre. Foi uma prenda por ter passado o ano, na altura com 15 anos. Há memórias que ficam gravadas…
-
E assim começou…outras histórias vieram a lume…
-
O Capitão Francisco Fernandes Mano, natural de Ílhavo nasceu em 1904 e deixou-nos em Junho de 1979, com 75 anos.
Foi casado com a Senhora D. Cármina Gonçalves Fernandes Mano, casamento de que nasceram a Rosa Armanda, a Isilda Maria, a Alzira Maria e o Francisco Mano, com quem falei, aqui pela Costa Nova e me cedeu alguns dados.
Era possuidor da cédula marítima nº 5299, de 1916, passada pela Capitania do Porto do Porto, com 12 anos de idade.
Como os colegas do seu tempo, terá ido, pois, bastante cedo para o mar.
Desde que possuímos registos oficiais, foi, na campanha de 1929, embarcou de piloto no lugre Ernani, sob o comando de Júlio António Lebre, também de Ílhavo.
-
O lugre Ernani foi construído na Gafanha da Nazaré, por Manuel Maria Bolais Mónica e lançado à água a 26 de Dezembro de 1918, com o nome de Estrella do Mar, para o Armador Santos, Moreira & Cª., de Aveiro, na posse do qual se manteve até 1920.
Foi pertença da Companhia Aveirense de Navegação e Pesca, Lda., de Aveiro, entre 1920 e 1921, tendo navegado com o nome de Apollo.
Passou a chamar-se Ernani, aquando da venda, em 1921, à Empreza de Navegação e Exploração de Pesca, também de Aveiro, à qual Testa & Cunhas o adquiriu, em 20 de Dezembro de 1927, com o mesmo nome.
-
Segundo o jornal O Ilhavense de 10 de Agosto de 1934, o lugre Hernani foi pasto das chamas na Groenlândia, onde se encontrava a pescar, como é sabido.
A empresa armadora tentou pelos meios possíveis saber notícias dos náufragos, até que o Ministério da Marinha providenciou no sentido de obter informações, tendo, por fim, informado que se encontravam distribuídos por vários navios, naquelas paragens.
Na campanha de 1937, pilotou o lugre de madeira Vaz, ex-Vega, construído em 1918, na Gafanha da Nazaré, por Manuel Maria Bolais Mónica, propriedade da empresa Brites, Vaz & Irmãos, Lda., na campanha de 1929, tendo como capitão o ilhavense João dos Santos Redondo.
Em 1938, exerceu o cargo de piloto, sob o comando de Manuel Simões da Barbeira, meu avô, do lugre com motor Novos Mares, tendo-o estreado, pertença da Empresa Testa & Cunhas, Lda. Esta primeira viagem, sei-o de fonte limpa, fê-la só à vela, sem motor, pois este não tinha chegado a tempo da campanha. Tempos de heróis…
-
O Capitão Chico Mano, a bordo…
-
Na campanha de 1940, foi piloto do navio-motor de ferro, Santa Maria da Madalena, construído em 1939, nos estaleiros da CUF, para a Empresa de Pesca de Viana, sendo capitão, Joaquim Fernandes Agualuza e imediato, Manuel Pereira da Bela, ambos de Ílhavo.
-
N/m Santa Maria da Madalena
-
Na campanha de 1941, pilotou o lugre com motor, de madeira, Rainha Santa Izabel, ex-Rainha Santa, construído na Gafanha da Nazaré, em 1929, por José Maria Lopes de Almeida, para a firma Pascoal & Cravo, Lda., em 1929. Por dissolução desta empresa, em 1937 alterou o nome para Rainha Santa Izabel, sendo então propriedade de Pascoal & Filhos, Lda. Foi seu capitão o conterrâneo João de Sousa Firmeza.
-
No ano de 1942, passou a pilotar o lugre com motor, de madeira, Lusitânia III, sob o comando de João Francisco Grilo, irmão do Senhor Padre Grilo. Este lugre foi construído em 1918 por José da Silva Lapa em Vila Nova de Gaia para a Lusitânia Companhia Portuguesa de Pesca, com sede na Figueira da Foz.
-
Lugre com motor Lusitânia III
-
Nos anos de 1943 e 44, passou a imediato do lugre com motor, de madeira, António Ribau (ex-Navegante III da firma Ribaus & Vilarinho), sob o comando do conterrâneo João Pereira Gateira.
No ano de 1946, alcançou o comando do mesmo navio, de que foi capitão até 1952, inclusive. Entre os seus imediatos, teve, o ilhavense, Fernando Hernâni Rocha Mano, nos anos de 1946 e 47.
Entretanto, a Sociedade Gafanhense, Lda. encomendou a João Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, o lugre com motor Luiza Ribau, cujo bota-abaixo foi em 1953. O nosso capitão teve o prazer de o inaugurar e de se manter seu capitão, até 1957, inclusive. Dentre outros, foi seu imediato o conterrâneo Alberto Marques Pauseiro. 
-
Lugre com motor Luiza Ribau, em dia de bota-abaixo. 1953
-
No ano seguinte, 1958, teve o infortúnio de naufragar, sendo capitão no lugre com motor, de madeira, Santa Izabel, construído na Gafanha em 1929 para a Empresa de Pesca de Aveiro (EPA) – um dos quatro primeiros navios a ir à Groenlândia.
Naufragou em 1958, pertença da Empresa de Bacalhau de Portugal, Lda., de Lisboa, na viagem de regresso a Portugal. Ainda no pesqueiro, o navio estava a fazer água e, por isso, vinha acompanhado pelo n/motor de aço, Senhora da Vida, da mesma casa, do comando do Capitão Alfredo Simões Júnior.
A situação tornou-se insustentável e o Santa Izabel foi abandonado, não sem antes o terem incendiado, conforme os usos e costumes internacionais para tais situações, e toda a tripulação foi recolhida pelo Senhora da Vida, que estava próximo.

Lugre com motor, de madeira, Santa Izabel
-
No ano de 1959, passou para imediato do n/motor Avé Maria, recém-construído na Gafanha da Nazaré, em 1957, sob o comando do capitão Manuel José Fernandes.
Entre os anos 1960 e 62 (inclusive), voltou ao comando do António Ribau, tendo o navio naufragado neste último ano.
Segundo o jornal da terra O Ilhavense, de 1 de Maio de 1962, tendo saído de Lisboa a 18 de Abril, o António Ribau, ao chegar ao norte de S. Miguel, nos Açores, no domingo de Páscoa, declarou-se incêndio na casa das máquinas. A tripulação foi salva pelo vapor francês Fort Richepaure, que a transportou para Ponta Delgada, de onde viria a ser trazida para Lisboa, pelo vapor Carvalho Araújo.
Nos anos 1964 e 65, exerceu o cargo de imediato no n/motor Rio Antuã, sob o comando do capitão Francisco Teles Paião.
-

O Rio Antuã, em S. Jonh’s, em 1967
-
Na campanha de 1967, voltou a capitão do Luiza Ribau, tendo como imediato João António Machado Marques.
Em 1968, dou como findo o seu percurso marítimo, com uma viagem de imediato no n/m Vila do Conde, tendo como capitão, muito possivelmente, o também ilhavense Ernesto Manuel dos Santos Pinhal.
Conheceu uma diversidade de navios, passou por «algumas mudanças de cadeira», que nos permitem recordar ou imaginar alguns dos anacrónicos, mas belos veleiros, que constituíram a nossa frota, bem como alguns navios-motor, mais modernos, mas menos bonitos.
-
Fotos – Arquivo pessoal e cedência do filho do Capitão
-
Costa Nova, 14 de Setembro de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Homens do Mar - António de Morais Pascoal - 17

- 

A bordo do Aviz, em 1948

A partir do momento em que o Sr. Capitão Pascoal passou a comandar o n/m Novos Mares, estabeleceu-se entre as duas famílias, uma certa afabilidade e estima, dando-nos bastante bem, de tal modo que as duas filhas mais novas, ainda crianças, as gémeas Graça e Teresa foram minhas damas de honor, a 11 de Setembro de 1965. Como o tempo tem corrido…
-
António Morais Pascoal, nascido em 30 de Abril de 1923, exerceu os cargos de piloto, nos lugres Lusitânia III e Milena, respectivamente, nos anos de 1945 a 1947, sob o comando, respectivamente, de Carlos Fernandes Parracho (1945) e Tude de Brito Namorado (1946 e 1947).

No cais, junto ao Milena. Ao centro, A. Pascoal e, à direita, o Capitão Tude Namorado. Entre 46 e 47.
-
De 1948 a 52, serviu o lugre e Aviz, como imediato, comandado pelo Capitão Manuel dos Santos Labrincha (Salta), com a excepção do ano de 1949, em que fez 2ª viagem do arrastão João Corte Real, sob o comando de Manuel Gonçalves Viana, de Ílhavo.
-
António Pascoal, a bordo do Aviz, em 1948
-
De 1953 a 1960, comandou o dito lugre Aviz, da praça do Porto, tendo tido como imediatos, de Ílhavo, João Evangelista Gonçalves (1953) e Ernesto Emanuel dos Santos Pinhal (de 1956 a 1959).
-
No Aviz, quetes cheios. Boa pesca.
-
Na campanha de 1960, passou para o comando do Condestável, da mesma empresa, ano em que naufragou, sendo seu imediato, de novo, Ernesto Emanuel dos Santos Pinhal.
O Condestável, de imponente lugre-motor que era, resultou, em 1957, em navio-motor com dois mastros, após modernização.
O jornal O Ilhavense de 10.9.1960 noticia o naufrágio do Condestável. Sem perda de vidas, mas uma unidade a menos na valorização da nossa frota e mais 10.000 quintais de bacalhau que se desperdiçaram. O navio/motor, juntamente com o Aviz que ainda se encontrava a pescar pertenciam à Companhia de Pesca Transatlântica, Lda., do Porto, tendo sido a causa do naufrágio um incêndio que irrompeu na casa das máquinas, originado por um curto-circuito, às 9 horas do dia 30 de Agosto. A tripulação, composta por 72 homens foi salva pelo Gil Eannes e dividida pelos arrastões que estavam prestes a regressar a Portugal. Faziam parte da tripulação, de Ílhavo, o capitão, António de Morais Pascoal, o imediato, Ernesto Manuel Pinhal dos Santos, o contramestre José dos Santos Pereira, o cozinheiro, José Lucílio Ramos e o ajudante de cozinheiro, Júlio Pereira Verdade.
-
Na campanha de 1961, voltou à praça de Aveiro, como capitão do navio-motor, Novos Mares, até 1974.
-
Por coincidência, o Novos Mares, construído nos estaleiros de Manuel Maria Mónica, da Gafanha da Nazaré, para a empresa Testa & Cunhas, lambeu, pela primeira vez as águas da ria, no dia 19 de Março de 1958, em substituição do lugre-motor de mesmo nome, naufragado na campanha de 1956.
-
Já flutuava…em 1958
-
Pilhas de botes…no Novos Mares, em campanha de 69
-
Ora o Novos Mares, em 1974, depois de ter passado o 25 de Abril ancorado no Tejo, ainda seguiu para a Terra Nova, ano difícil para a campanha do bacalhau. Regressou em fins de Julho por ordem da Secretaria de Estado das Pescas, uma vez que se haviam malogrado todas as tentativas de conciliação com os tripulantes, que reivindicavam melhores remunerações e outros benefícios. O ano era «quente», tendo regressado à Gafanha da Nazaré… com os porões vazios e greves a bordo.
-

Manifestação em St. Pierre, em 1974
-
Tornara-se um navio-histórico, pois fora o último barco da chamada Frota Branca a navegar no estreito de Narrows, com os seus dóris cautelosamente alinhados no convés (in Disasters & Shipwrecks of Newfoudland and Labrador, Vol. 3, de J. P. Andrieux, p.121 e 122).
Uma longa vida dedicada à pesca do bacalhau à linha, que, após uns pares de anos em terra, terminou em 10 de Março de 2014.
Nestes longos anos de capitão do n/m Novos Mares, o amigo Capitão Pascoal teve como imediatos ilhavenses, Ernesto Emanuel dos Santos Pinhal (1961), Libânio Tibério Paradela (1962 a 64), Carlos Manuel Vieira Torrão (de 1971 a 73). Em 1974, António Armando Pereira Verdade.
-
No ano de 1964, a entrada do navio, para mim, foi peculiar, pois, filmei-a, na minha velhinha Bell and Howell, em circunstâncias especiais, indo em lancha da empresa, esperar o navio, à boca da Barra.
-
Que grande azáfama, a bordo! Indescritível… Perante a ansiedade dos beijos e dos abraços, no cais… As bonecas canadianas, em todo o seu esplendor, em grandes caixas, eram a lembrança preferida, dos pais marinheiros para as suas filhotas. E Cruxifixos para casa, também não faltavam. Do navio para os botes e dos botes para o cais. Mas a presença era o melhor dos melhores presentes.

Cap. Pascoal, na ponte, em observação dos trabalhos. 1964. Foto extraída do filme.
-
A grande tristeza da saída era compensada pela grande alegria da chegada. Dizia-se…
-
Pequenas estórias de uma grande história!
-
Fotos – Arquivo pessoal, cedência de J. P. Andrieux e do Sr. Capitão Pascoal
-
Costa Nova, 2 de Setembro de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Homens do Mar - Manuel dos Santos Labrincha - 16

-
De visita ao famoso Argus. Foto de Alan Villiers, em 1950
-
A roda gira e, desta vez, «está de quarto», o Capitão Salta, de nome, Manuel dos Santos Labrincha. Aquele a quem eu chamava de primo Salta, porque o era, de facto, nasceu em Ílhavo, em 5 de Dezembro de 1901 e partiu de vez, para mares ignotos e bastante mais distantes, a 5 de Setembro de 1978. O Capitão Vitorino Ramalheira tirou-me, algumas dúvidas e identificou-me novas imagens, conseguidas há pouco.
Há sempre mais uma pecinha a juntar ao «puzzle» da Faina Maior.

O Capitão Salta (ao centro), entre César Maurício (à esquerda) e Adolfo Paião e João F. Matias (à direita). A Campanha do Argus, 1950
---
Iniciou vida no mar, como muitos do seu tempo, com 15 anos, sendo portador da cédula nº 12054, passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em Março de 1914. Fez viagens de comércio para Cabo Verde, em navios que levavam sal e traziam gado.
Propriamente na pesca do bacalhau, começou em 1926, tendo sido piloto, no Esperança 2º, comandado por Francisco António Bichão, e noutros, da praça do Porto.
Em 1936 e 37, foi capitão do lugre com motor de madeira, Senhora da Saúde, ex- navio dinamarquês Helga, construído em 1920, adquirido para a campanha de 1935 pela Empresa Tavares, Mascarenhas, Neves & Vaz, com sede em Aveiro, que terá naufragado em 1952, na Groenlândia. Foi seu piloto João Fernandes Parracho.

Senhora da Saúde, à entrada no Douro. S. data
Ansiado regresso…
-
De 1938 até 1947 (inclusive), comandou o lugre com motor, de madeira, Brites, construído por Manuel Maria Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, em 1936 para a Empresa Brites e Vaz & Irmãos, da Gafanha da Nazaré.
Segundo o jornal da nossa terra de 15 de Outubro de 1938, este ano de 1938, tem sido fatídico para os pescadores do bacalhau. Um ciclone que soprou no dia 12, no oceano, fez mais umas quantas vítimas, como estragos, nos navios. Desta vez, entre outros, o lugre Brites também perdeu um homem, tendo sofrido também importantes prejuízos materiais. Era seu piloto José Simões Ré.
Outros pilotos/imediatos ilhavenses, durante este período de 1939/1947, do lugre Brites foram – Manuel Fernandes Matias (1942), António Fernandes Matias (Cajeira) (1943/44), Manuel Nunes de Oliveira (1946/47).
-
Entre 1948 e 52, o capitão Salta comandou o lugre com motor, de madeira, Aviz, navio de 4 mastros, construído por Manuel Maria Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, em 1939, para a Companhia de Pesca Transatlântica de Pesca, com sede no Porto.

O lugre Aviz, em construção. Gafanha, 1939

Aviz. Porto, cheias no Douro de 1962
-
Foi entre 1948 e 52 que se cruzou o nosso capitão, no lugre Aviz, com António Morais Pascoal (1923-2014), como seu imediato.

Em North Sidney. Capitão Salta, à direita, Capitão Pascoal, ao centro, e Júlio Machado Redondo, à esquerda. S. data
-
O Capitão Salta a partir de 1953 até ao final de sua vida activa (1959), exerceu o cargo de capitão no lugre com motor Condestável, de 4 mastros, construído por Arménio Bolais Mónica, em 1948, na Gafanha da Nazaré, igualmente para a Companhia de Pesca Transatlântica, do Porto.
-
Lugre Condestável, em dia de bota-abaixo. 1948
-
Eram habituais estas mudanças com a construção de navios novos e, em 1953, assim como o Capitão Salta passa para o Condestável, o Capitão Pascoal assume o lugar de capitão no Aviz, até 1959. Dança de cadeiras, a bordo… Em 1960, enquanto o primo Salta abandona o mar, com uma vida de ausências, o amigo Pascoal passa a comandar o Condestável, que perde, por incêndio a bordo, sem quaisquer perdas de vidas.

Lugre Condestável, em ano de transformação, 1957

O Condestável, de imponente lugre-motor que era, foi transformado, em 1957, em navio-motor com dois mastros.
Na inauguração da transformação, os presentes – o 1º motorista do navio (à esquerda), o Capitão Salta (ao centro), o gerente da Companhia de Pesca e o Capitão Vitorino Ramalheira (à direita) – testemunharam o acto.
 
No tombadilho dos botes, em Massarelos, Porto

O nosso bom amigo Vitorino Ramalheira, de 1954 a 1959, como imediato do Condestável teve a oportunidade de se cruzar com o capitão Salta.
-
E assim se iam cruzando as vidas dos nossos homens do mar, entre terra e mar, lugres e navios-motor, entre benquerenças e inimizades, entre segredos e concorrências, saudades e sacrifícios.
-
Imagens – Arquivo pessoal e gentil cedência da Família do Capitão
-
Costa Nova, 10 de Agosto de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Homens do Mar - Mário Paulo do Bem - 15

-
Na casa das máquinas do n/m Vimieiro. 1959
-
Nestas notas biográficas, desta vez, vem à liça Mário Paulo do Bem, também conhecido por Mário Agualuza, por sua mãe se chamar Maria Agualuza Lau.. Ultrapassam-se, por vezes, umas relativamente a outras, das possíveis, só porque o material consegue chegar-me às mãos com mais facilidade. Sobretudo, o empréstimo de imagens, que, quando existem, não estão assim muito à mão, entre caixas, sótãos e baús. Mas, várias notas biográficas estão «na carreira». Um dia chegarão a bom porto.
Mário Paulo do Bem, natural de Ílhavo, nasceu a 16 de Agosto de 1907 e deixou-nos em 20 de Outubro de 1976.
Morador na dita Avenida dos Capitães, foi casado com a senhora D. Maria Fernandes Carlota do Bem, de quem teve três filhos, todos do meu conhecimento. Foi a Alcina Paula que me teve a gentileza de me emprestar algumas das últimas imagens e outras foram-me aparecendo, sei lá, noutros conjuntos de homens do mar em que se integrava.
-
Encontro os seus primeiros registos de viagem, sendo possuidor da cédula marítima nº 17.045, passada pela capitania de Aveiro, em 1921, nas campanhas de 1936 e 37, no lugre-motor Cruz de Malta, sob o comando do meu Avô, Manuel Simões da Barbeira, de alcunha, Pisco. Destinos cruzados, com idades diferentes.
Pilotou de seguida, nas campanhas de 1938 a 42, o lugre-motor Labrador, ex-navio dinamarquês Lydia, construído em 1919, sob o comando de António Simões Picado.

A bordo do lugre Patriotismo, no Porto

Na imagem anterior, que me fascina, da esquerda para a direita, identificamos o capitão Jorge Trólaró do lugre Patriotismo, pelo final dos anos 30, Mário Paulo do Bem e António Simões Picado, respectivamente imediato e capitão do lugre Labrador, todos de Ílhavo.

A bordo do Labrador…

Sentado no convés, Eduardo Santos Labrincha, no albói, à esquerda, José Marques de Oliveira e Mário Paulo do Bem, piloto, à direita, com a bóia sobre os joelhos. De pé, o cozinheiro.
E ascendeu ao posto de capitão, nas viagens de 1943 e 44, no Neptuno 2º, lugre-patacho de madeira, construído em Vila do Conde, em 1873, reconstruído em 1926, por Manuel Maria Bolais Mónica, e armado em lugre, tendo feito a última campanha ao serviço da Parceria Geral de Pescarias, no ano de 1938. Quando foi comprado pela Empresa de Pesca de Portugal, Lda., de Ílhavo, da gerência de Francisco Abreu, para a campanha de 1939, passou a chamar-se Neptuno Segundo. Foi seu piloto na campanha de 44, Manuel de Oliveira Vidal Júnior, de Ílhavo, com quem voltaria a cruzar-se nestas andanças marítimas.
-
Na campanha de 1945 seguida da de 46, teve o grato prazer de estrear o elegante e gracioso lugre-motor Maria Frederico, construído na Gafanha da Nazaré por António Pereira da Silva, também para a Empresa de Pesca de Portugal, Lda., de Ílhavo, com seca na Malhada, a antiga «seca do Abreu». Foi, de novo, seu piloto em ambas as campanhas, Manuel de Oliveira Vidal Júnior.
 
O Maria Frederico, em dia de bota-abaixo. Dezembro de 1944.

Em 1947, comandou o esbelto lugre com motor Groenlândia, ex-Viana, ex-lugre-escuna Groenlândia, reconstruído nos estaleiros de António Mónica, em 1940, para Armazéns José Luís da Costa & Cª Lda, cujo imediato era Joaquim Martins da Rocha, de Lagos. Em 1941, este lugre levou a bordo o jornalista Jorge Simões que viria a escrever Os Grandes Trabalhadores do Mar.

O Groenlândia em dia de bota-abaixo. 1940
-
Comandou o lugre com motor, de madeira, Viriato, construído na Gafanha da Nazaré, em 1945, construído por Alberto Matos Mónica também para Armazéns José Luís Costa & Cª, Lda., com sede em Lisboa, durante as campanhas de 1948 até 1955 (inclusive). Nestes oito anos, foram diversos os imediatos que trabalharam com ele, tendo sido de Ílhavo, João Nunes de Oliveira (Codim), António Remígio Sacramento Teiga e Carlos Alberto Pereira da Bela.

Volta de mar no Viriato. Sd.

Nas campanhas de 1956, 57 e 58, comandou o Sernache, navio-motor, de ferro, construído na Holanda em 1948, para mesma empresa do Viriato. Foi sempre seu imediato, durante estes anos, Armando Gonçalo Nogueira, de Lisboa.
Na viagem de 1959, teve o prazer de estrear como capitão o navio-motor Vimieiro, construído nos Estaleiros de São Jacinto, de novo, para Armazéns José Luís Costa & Cª, Lda., com sede em Lisboa. Foi seu imediato João Augusto Ramos, da Gafanha da Nazaré e piloto João Sílvio Serrano Matias, de Ílhavo.
Os pilotos foram, respectivamente, Amândio Manuel da Rocha Pinguelo, de Ílhavo, Américo de Oliveira Nunes da Matta, de Lisboa e Manuel Seiça Filipe, de Ílhavo.
 
No Vimieiro, em dia festivo, no Tejo. 1959

Durante o ano de 1960, não foi à pesca.
Durante os anos de 1961 a 1965 (inclusive), comandou o Oliveirense, lugre-motor construído na Gafanha da Nazaré por António Bolais Mónica, em 1938 para a Empresa de Pesca do Bacalhau do Porto, Lda. Gémeo do Delães, na campanha de 1942, passou para a propriedade da SNAB.
-
O Oliveirense, em Lisboa. 1950

No jornal da nossa terra de 10.8.1965, chegou a notícia de se ter incendiado nos Bancos da Terra Nova o lugre-motor Oliveirense, pertencente à Sociedade Nacional de Armadores do Bacalhau, sendo capitão Mário Paulo do Bem e, imediato, Manuel dos Santos Malaquias de Ílhavo. A tripulação, constituída por 52 pessoas, foi salva pelo n/m São Jorge e ter-se-á, deslocado, ao tempo, de avião para Portugal.
Em 1966 o nosso Capitão Mário comandou o Elisabeth, em 1967 e 1968 foi imediato do n/m São Jorge e em 1969 comandou o navio de comércio Julieta, com bandeira do Panamá, da Sociedade de Navegação Baltir, da gerência de Francisco de Abreu. O navio em 1970 ficou arrestado em Espanha.
Mais uma vida completamente cheia de mar, vivida no mar, muito longe dos seus familiares, acabando por viver em terra, no fim da vida, uma meia dúzia de anos. Era, assim a vida dos capitães ilhavenses.
-
Fotografias – Arquivo pessoal e gentil cedência da Família do Capitão
-
Costa Nova, 21 de Julho de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Homens do Mar - João Zagalo, um «doryman» aguerrido - 14

-
Recorda o leme e o Novos Mares
-
Há uma boa meia dúzia de anos, marquei um encontro na seca com João Teixeira Filipe, homem de boa têmpera, trabalhador e fiel à empresa para que trabalhou, durante 59 anos, desde 1943 até 2002.
João Zagalo (de alcunha), seu nome de guerra, nasceu na Gafanha da Nazaré, concelho de Ílhavo, a 28 de Agosto de 1924. Foi no início e crepúsculo da vida, carpinteiro naval, mas, no seu auge, foi um grande pescador do bacalhau, um audacioso, sabedor e afortunado homem do dóri. Tinha um certo orgulho nas categorias que teve a bordo e no apreço que capitães, colegas e empresa nutriam por ele.
Na vida do mar, teve sustos… era inevitável, mas talvez nenhum daqueles que marcam para toda a vida… Concordou com o facto de a pesca à linha ter sido uma profissão árdua, muito dura e perigosa, mas demonstrou saudades do mar, sobretudo do da Groenlândia, pelo muito peixe que lá se pescava e pelo tempo que lá fazia… – recordou.
-
Começou, na adolescência, a aprender a arte de carpinteiro naval nos Estaleiros Mónica.
-
Numa ocasião, o lugre Cruz de Malta estava em frente à empresa, virado à querena, para levar uma nova roda de proa, pois precisava substituída. O jovem Zagalo veio trabalhar para o navio, ao serviço do estaleiro, mas a vida do mar atraía-o e, assim, mudando para a carpintaria da seca, tinha a possibilidade de vir a embarcar. Ele e o Sr. António Cunha entraram em «acordo de cavalheiros», como era normal. E o João Zagalo veio trabalhar para a primitiva carpintaria da empresa com o saudoso Zé Vicente.
Mas o apelo do mar era mais forte. E o seu sonho cumpriu-se.
 
Novos Mares, na Groenlândia, em 1938
 
Em 1947, embarcou de moço no Novos Mares, lugre de quatro mastros, a que ele passou a chamar o seu navio; mas, no ano seguinte, já foi de verde (pescador que ia à pesca pela primeira vez), no mesmo navio e pescador maduro, especial, especial A, de aí por diante, até 1955.
De 1956 a 58, passou para o n/m São Jorge, que estreou e de que eu fui «madrinha», o que muito me marcou, pela positiva.

São Jorge, depois de ter descido a carreira
-
De 1959 a 74 (inclusive), embarcou sempre no novo n/m Novos Mares, onde foi um óptimo e audacioso pescador. Nos serviços de bordo, como escalador, orientava a escala, tratando também cuidadosamente de todos os derivados: caras, línguas, samos e lombos.
Em viagem, no caso do n/m Novos Mares, fazia quarto com o Capitão, Sr. António Pascoal.
De moço, passou a verde e de verde a pescador especial (aquele cuja pesca ultrapassa os 200 quintais), estando sempre na categoria dos melhores pescadores do navio.
Depois da difícil viagem de 1974 e das greves de então, estava na altura de ficar em terra e aí, pela década de 90, muito contactei com ele, enquanto ia fazendo uns biscates na carpintaria, até 2002, ano em que se aposentou.
-
Em conversa, recordou alguns episódios de bordo.
-
A melhor viagem que fiz foi no São Jorge (ali pelo ano de 57) e foi mesmo a melhor do navio e a mais curta. Largámos a 31 de Agosto, viemos directos da Groenlândia e ainda fomos à feira de S. Mateus, em Setembro, em Viseu.
Era um bom navio. Dormia no beliche, à ré, e não fazia nenhuma «ringedeira» (barulho que os navios de madeira quase sempre faziam).
-
Contou-me outra história, que lhe deixou saudades, passada em Agosto, na Groenlândia, no Novos Mares, com o Capitão Pascoal.
O navio deu uma emposta (mudou de sítio) para arriar mais cedo. Deu uma pesquisadela.
-
Disse o Capitão:
– Para fora, não tem nada. Ide para o lado de terra!
 – «Vamos à vida, com Deus, vamos arriar!» – ordem do Capitão.
E a manobra do arriar começou.
Mostrou muito orgulho em ter sido chasman (presumivelmente corruptela do inglês lastman), pois orientava, com outro camarada, a manobra de arriar.
Deduzi que o chasman era o dono do último bote do cimo da pilha, que não se desarmava. Tinha de ser um homem responsável, com jeito, traquejo e muita prática. Havia um chasman em cada pilha, que ajudava a arriar e a içar os botes e era sempre o último a partir para a pesca, depois de ter orientado estas lidas.
Depois de ter botado as mãos no peitilho do avental para as aquecer, já que não trabalhava de luvas, – confessou-me – remei de cu p’rà ré e fui p’ra fora, para estar mais desempachado (livre, disponível).
Depois de ter largado o trole e quando o grampolim chegou ao fundo, começou a sentir bacalhau na linha do grampolim. Era muito bom sinal!

No meu dóri, era eu o capitão…recordava
-
Recordou que acabara de largar, comera o pequeno-almoço que levava no foquim (peixe frito, pão e azeitonas), deixou passar uma hora e, em cada anzol, um bacalhau. Confessou-me que carregara até ao bico do bote.
Ainda carregou outro bote, mas, à terceira vez, já não deu nada.
Era peixe a meia água, que passou e não voltou. Assim acontecia tantas vezes! – reviveu.
Este relato mostra a instabilidade, a precariedade e incerteza desta vida.
Mas o João Zagalo não o esqueceu.
Trabalhou com os capitães João dos Santos Labrincha (Laruncho), de 1947 a 49 e de 1956 a 58, José Simões Bixirão (Ponche), de 1950 a 55, Weber Manuel Marques Bela, em 1959 e 60 e António de Morais Pascoal, de 1961 a 1974.
Recordou alguns camaradas de faina, tal como o Manuel Pinto (1923-2004), de Ílhavo, contramestre, também muito bom pescador e trabalhador fiel da casa, para a qual foi fazendo uns trabalhos específicos de marinharia, quase até ao fim dos seus dias.
Senti que, longe de aborrecer o João Zagalo, consegui proporcionar-lhe uma tarde agradável, cheia de recordações, duras recordações, mas, para ele, compensadoras.
-
Foi com enorme orgulho que a Confraria Gastronómica do Bacalhau prestou a simples homenagem a este Lobo do Mar, em Janeiro de 2011, de o tornar Confrade de Honra, representando, pois, tantos outros que passaram anonimamente pela Faina Maior e ajudaram a escrever páginas da história deste concelho marinheiro e de Portugal. Terminou os seus dias em 10 de Dezembro de 2014.
-
Fotografias – Arquivo pessoal da autora
-
Ílhavo, 25 de Maio de 2016
-
Ana Maria Lopes
-